Will Smith e muita nerdice: o final de semana mais épico na CCXP

Já faz um tempinho que a Comic Con acabou, mas as lembranças desses dias ainda ecoam na minha mente.

Para quem não sabe, a Comic Con Experience é um evento realizado especialmente para os fãs de quadrinhos, filmes, séries, animes, livros e tudo o que o universo nerd permitir, trazendo novidades e experiências da cultura pop e geek. Ele já é realizado em outros países e teve a sua primeira edição no Brasil em 2014, graças ao pessoal do Omelete, da Piziitoys e do Chiaroscuro Studios.

Ano passado eu tive a oportunidade de ir pela primeira vez ao evento, que se transformou no final de semana mais épico da minha vida. Então vou contar tudo o que vi por lá para vocês. Senta que lá vem textão.

O evento começa em uma quinta-feira e vai até o domingo. Eu fui apenas no sábado e no domingo, por isso vou separar os acontecimentos por dia.

Vamos lá!

Sábado

O sábado foi um dia em que acordei com muitas expectativas já que, como eu disse, foi a minha primeira vez no evento. Estava bastante ansiosa para chegar à Expo SP, local onde acontece a CCXP. Não vou mentir, mal consegui dormir direito a noite de tanta ansiedade.

Já tinha deixado a minha mochila preparada com basicamente tudo o que eu ia precisar durante o dia. Levei casaco, sombrinha –afinal, o clima de São Paulo é louco e nunca se sabe o que pode acontecer- água, lanches, meus documentos e, claro, um caderninho caso eu conseguisse o autógrafo de alguém. Acabei não pegando o de ninguém.

Quando cheguei à estação Jabaquara, a estação de metrô mais próxima ao evento, já corri para procurar o ônibus que leva as pessoas até a Expo SP. Então aqui vai a minha primeira dica: não precisa se preocupar em como chegar até o evento, não precisa usar uber, cabify e afins. A própria organização dispõe alguns ônibus para levar o pessoal até lá e você não precisa pagar nada por isso. O único problema é a fila enorme para pegar o ônibus. Ela estava dobrando o quarteirão.

Ao chegar ao metrô, tinha um staff do evento informando ao pessoal que ia para a Comic Con onde estava o ônibus. A fila me assustou um pouco, mas até que não demorei muito por lá, uma média de 30 minutos, porque sempre sai mais de um.

Garanti o meu lugar no ônibus e a ansiedade de chegar rápido por lá me consumia. O caminho não é longo, menos de 20 minutos, porém estava engarrafado, creio que deveria ser por causa do evento. Dá super para ir caminhando até lá, mas alguns fatores me impediram de fazer isso: não sabia como chegar; o sol estava de rachar o cérebro de qualquer um; fui sozinha. Se você decidir ir de carro, boa sorte! O engarrafamento é horrível e o estacionamento é diferente de onde os ônibus param lá.

Ao chegar lá fui em direção a entrada de quem ainda não tinha a credencial do evento. Pedi informação a alguém do staff, sempre tem muitos por lá, sério, o que é ótimo caso você precise de alguma coisa como eu precisei.

Perguntei onde eu pegava a minha credencial, pois o meu ingresso eu ganhei e foi por transferência. Eis que o carinha me faz uma pergunta assustadora: “Você está com o número do pedido da sua transferência?”

Tive um mini-infarto, claro, porque eu não estava com ele. Daí eu pensei “tudo bem, eu pego no meu e-mail”. Pobre eu! Tentei acessar loucamente o meu e-mail, mas a área da vivo era extremamente ruim e pra variar: já tinha gastado 80% do meu 3G. Pânico total!!! Comecei a entrar em desespero, passei uns 30 minutos, que mais pareceram uma eternidade, tentando usar a internet. Liguei pra minha irmã para colocar créditos no meu celular e eu comprar mais pacotes de dados, completamente desesperada. Mas depois de exatas 98449429 tentativas, consegui acessar meu e-mail e pegar o bendito número de transferência. UFA!

Por isso deixo aqui a minha segunda dica: deixem o número do pedido do seu ingresso salvo na galeria do seu celular para não passar o mesmo perrengue que eu.

Com ingresso em mãos e expectativas a mil, lá vou eu em direção ao sábado mais épico da minha vida e mal podia esperar pelo que iria acontecer ao longo do dia.

Ao entrar lá a primeira coisa que me deparo foi: multidão. O local estava lotado e repleto de filas nos estandes. Fiquei louca com as inúmeras coisas para fazer e ansiosa por encontrar os youtubers que acompanho.

A primeira fila que entrei foi da Ruffles para pegar a batata com a embalagem do The Flash ou do Arrow, nem sabia como fazer para conseguir, apenas entrei nela. Descobri que para conseguir pegar a minha batata eu teria que tirar uma foto minha lá e postar em uma rede social com a #LigaDaJustiçaRuffles. Foi chato, porque não gosto quando outras pessoas batem foto minha, mas foi ótimo porque garanti a minha batata com a embalagem do The Flash

Depois disso, comecei a caminhar por todos os lugares vendo os estandes. Não entrei em todos, pois isso significaria entrar em muitas filas. Tinha a loja de Harry Potter, em formato de castelo e um lugar para “jogar” Quadribol, mas nem cogitei entrar na fila, presumo que o tempo de espera seria de 2 pra 3 horas e esse tempo eu poderia aproveitar vendo outras coisas.

Tinham outros estandes bastante legais, um Shenlong (dragão do Dragon Ball) enorme para o pessoal tirar foto, um palco do Twitch, estandes do Submarino, Oi, Gudetama, Netflix, HBO e várias outras marcas com diversas coisas legais para fazer. Também tinham muitas lojas de camisetas, quadrinhos, figure actions e outros, porém todos com filas.

Depois de tanto caminhar e encher a galeria do meu celular de tanta foto resolvi procurar um lugar para sentar, comer algum lanche que eu tinha levado e carregar o meu celular. Então, aqui vai a minha terceira dica: cheguem ao evento com o celular, de preferência, em 100%, levem um carregador na mochila e/ou um power bank, porque você vai precisar.

Lá havia um CCXP Creators, local onde os youtubers ficavam e você poderia conseguir entrar para tirar fotos e pegar autógrafos deles, mas tinham os horários e os youtubers que iam estar por lá.

Caminhei mais um pouco e encontrei o local onde ficava o Omelete e onde acontecia a Omelete Live. A quarta dica pra você: tente descobri os convidados e horários que eles estarão na live do Omelete para você não perder a oportunidade de ver o seu ídolo bem pertinho.

Caminhei mais um pouco até estar próximo do horário do painel que eu queria ver: o do Choque de Cultura. Daí o mais inacreditável (pra mim) aconteceu. Enquanto procurava o auditório que seria o painel, vi uma multidão em volta da live do Omelete, daí pensei “ué, o que que está acontecendo?” Eis que descubro: ia ter live com o Nick Jonas!!!

Eu já tinha aceitado que não conseguiria ver ele no auditório, porque as filas são enormes e eu não queria perder o meu tempo em filas. Procurei um cantinho em meio as pessoas para que eu pudesse ver ele de perto e consegui!!! Muita emoção ver de perto alguém que eu acompanhei assistindo no Disney Channel. *freaking out*

Acabou a live, tirei algumas fotos, fiz alguns vídeos, hora de procurar o auditório onde seria o painel do Choque de Cultura, faltavam apenas poucos minutos. Saí loucamente perguntando as pessoas onde ficava o auditório Ultra, eis que bem pertinho dele, vejo mais um aglomerado de pessoas, seguranças e novamente pensei “ué, o que que está acontecendo aqui?” Daí, como boa brasileira que sou, fiquei lá enfileiradinha junto com as pessoas para descobrir o que seria, se tinha seguranças, então seria alguém importante. NICK JONAS NOVAMENTE! Daí me toquei que eu estava no estande do filme Jumanji e ele está nessa nova versão.

Preparei meu celular, pronta para tirar fotos e fazer vídeos dele, achando que ele passaria educadamente entre as pessoas já que estaria escoltado com vários seguranças. Ledo engano. Foi ele aparecer e eu ser atropelada por pessoas que tentavam chegar perto dele.

Vi ele de pertinho mais uma vez e segui meu caminho em direção ao painel da TV Quase. Melhor dia da minha vida! Pude conhecer de pertinho o Julinho da Van, Maurílio dos Anjos, Renan e o Rogerinho do Ingá. Não apenas amei ver eles lá no palco, como também pude vê-los de pertinho, já que eles foram super solícitos e tiraram fotos com todos.

Saindo do painel deles, fui para o estande da Fini para ver se encontrava o pessoal do Não Salvo, pois eles gravaram o podcast deles lá. Cheguei tarde demais (como eu imaginei), a gravação já tinha acabado, mas eles continuavam por lá tirando foto com os não ouvintes (como são chamadas as pessoas que ouvem o Não Ouvo).

Já eram mais de 18 horas e eu tinha que aproveitar o restante da noite, pois o evento se encerrava às 21 horas. Lembram da dica que eu falei sobre ter um carregador portátil? Pois é, eu não tinha e tive que sair procurando um lugar para carregar o meu celular.

Celular carregado, hora de caminhar mais e encher a galeria de fotos aleatórias. Eis que chega o fim do evento. Sabem os ônibus que levavam as pessoas até a Expo SP? Eles também faziam o caminho inverso e levavam o pessoal até o metrô. Os alto-falantes anunciavam que o tempo de espera era de 1:40. Nem cogitei voltar nele, apenas segui o fluxo de pessoas, porque já sabia que elas me levariam até o metrô.

Fim do primeiro dia de CCXP, coração e mente a mil tentando absorver tudo o que tinha acontecido durante o dia. Hora de ir dormir, pois domingo seria outro dia loucamente incrível no evento.

Domingo

Depois de uma noite inteira de ansiedade pelo meu segundo dia de CCXP, chega o domingo. Resolvi que seria o dia para entrar em filas que não entrei no sábado. Não sei quanto a vocês, mas odeio filas, então para mim seria um teste de paciência também.

Enfrentei a primeira fila: a de pegar o ônibus para chegar ao local. Chegando lá, já fui buscando qual seria a primeira coisa que deveria fazer, eis que vejo o estande da série Westworld, da HBO, com uma fila relativamente “pequena” é nessas horas que a gente ouve os anjinhos tocando os sinos divinos. Estou lá, muito plena esperando a minha vez de entrar e só digo isso: que experiência incrível!

Do lado de fora do estande tinha um trem e um local com uma maca e alguns “raios-x”. Quando vi no sábado, achei que seria apenas para imitar o cenário, mas no domingo vi que eles encenavam algumas coisas como na série.

Ok, depois de pacientemente enfrentar a fila, chega a minha vez. Logo quando a gente entrava tinha uma mesa de vidro com algumas armas, o figurino usado na série estava exposto lá e tinha uma mulher vestida a caráter como uma das funcionárias de Westworld. Ela nos informa que podemos pegar algumas coisas, tirar fotos e que logo depois iríamos para o parque.

Entramos por uma porta e: estamos no trem a caminho de Westworld! Tinha uma sala que imitava perfeitamente um trem, a gente sentava em uns banquinhos e tinha umas televisões que ficavam passando imagens como se fosse a janela do trem. Depois entramos em uma sala que achei bastante genial. Era a sala do Dr. Robert Ford! Tinha uns iPads pendurados que, quando girava eles lentamente, apareciam algumas informações como na série.

Depois dessa sala, entramos em outra que não podíamos filmar ou tirar fotos, pois eles passavam um trailer da segunda temporada. Essa foi a minha experiência em Westworld graças a Comic Con. Quem não assistiu a série eu recomendo demais! É uma grande produção, com um roteiro incrível, sem contar na direção, figurinos e etc. Vale super a pena assistir. A segunda temporada sai esse ano, então corre ficar por dentro da série.

Saindo do estande, fui dar uma passeada enquanto não começava a gravação do Não Ouvo. Visitei (do lado de fora, porque para entrar eu teria que enfrentar uma fila de mais de 2 horas) o castelo de Harry Potter, tinha alguns itens expostos que eu fiquei louca para comprar, infelizmente não pude comprá-los porque não tinha vendido um rim antes do evento, mas vou deixar algumas imagens aqui para vocês apreciarem.

14 horas! Hora de começar a gravação do podcast e eu já estava bem plena lá na frente do estande da Fini. Altas risadas com a gravação, altas fotinhas com o pessoal do Não Salvo. Hora de procurar o que fazer! Saio por aí para ver o que mais tinha para ver (e olha que era muitas coisas), depois de um tempo chego próximo ao local da live do Omelete e tem uma multidão em volta. Meu Deus, o que é que ta acontecendo aqui?? Olho para cima e era o WILL FUCKING SMITH!!! Para quem não sabe, ele tinha um painel para falar sobre o filme Bright, da Netflix. Eu já tinha desistido de ver meu amigo Will, porque já sabia que teria que passar metade do meu dia em filas, MAS NÃO SABIA QUE ELE ESTARIA NA LIVE DO OMELETE!!! Por isso repito de novo mais uma vez: fiquem atentos a live do Omelete para não perder de ver ao vivaço, na sua frente, as pessoas que você gosta!

Claramente não consegui ver o Will de pertinho como queria, mas deu pra sentir a essência dele perto de mim por saber que estávamos respirando o mesmo ar. Depois disso ele partiu para o seu painel e eu fui aproveitar mais o que a Comic Con tinha a me oferecer.

Passei um longo tempo batendo perna e me bate a famosa fome. Vou procurar o que comer nos lugares que eu sabia ser mais barato, ou seja, fui direto no Spoleto. Podem começar a rir de mim, fui completamente enganada. Me senti em um aeroporto com o preço das comidinhas lá. Depois de uma longa ronda pelo evento, decido comer o que a comida oriental tem a nos oferecer: frango xadrez. Estou lá de boas, sentadinha na minha mesa apreciando a culinária japonesa, daí vejo uma pessoa sendo acompanhada por seguranças e sendo seguida por outras pessoas. Pensei: algum youtuber.

Era o WILL FUCKING SMITH!!! Caramba, me tremi toda. Me dei conta de que estava comendo em frente ao estande do filme Bright. Em questão de segundos brotaram  um milhão de pessoas em volta do estande. Eu que não podia abandonar a minha comidinha que não tinha sido paga ainda e nem as minhas coisas, fiz o que qualquer pessoa normal faria: subi em uma cadeira.

O Will Smith estava ali na minha frente! Fiquei nervosa de verdade. Ele subiu em algo lá no estande e a galera foi a loucura entoando alto e fortemente: Will! Will! Will! Will! Eu sinceramente não sei como estou viva depois desse momento.

 

Adrenalina lá em cima, tentando voltar a vida real enquanto mandava áudios/vídeos/fotos para o grupo da família falando desse meu orkontro com o Will, volto a passear pelo evento. Lembram que eu disse que ia enfrentar várias filas que não enfrentei no sábado? Pois é, já tinha desistido há horas.

Caminhei por todos os lugares que tinha direito, tirando foto de tudo e nada ao mesmo tempo, fazendo a menina do exorcista virando a cabeça para todos os lados a procura de alguém famoso. Até que chegou o momento mais triste: o final do evento.

Muito triste ao saber que só vai acontecer outra Comic Con daqui a meses, mas deixo aqui uma conclusão para vocês: foi realmente o evento mais épico que aconteceu na minha vida até agora. E se eu posso deixar um conselho para vocês é que: se puderem ir para a Comic Con vá! Não pestanejem, vão nem que seja apenas por um dia, vocês vão ver que vale MUITO a pena ir. E talvez seja uma das melhores coisas que aconteceram com vocês como foi comigo. Sei que em muitos casos o evento requer um bom investimento, então para vocês irem se preparando, a CCXP 2018 já tem data: 6 a 9 de dezembro.

E para encerrar esse post, deixo aqui o vídeo do mais novo Youtuber Will Smith na Comic Con.

Comentários do Facebook

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *