Review do filme Death Note da Netflix

PRECISAMOS FALAR SOBRE A VERSÃO DE DEATH NOTE DA NETFLIX!!!

Gostaria de deixar bem claro que esse post contém spoilers. Siga por sua conta e risco.

Para quem não conhece, Death Note conta a história de Light Yagami, um jovem japonês, bastante inteligente e sempre o primeiro da sua turma, que encontra o Death Note uau, um caderno que, ao escrever o nome de alguém e a causa da morte nele, essa pessoa morre dentro de 40 segundos. Ele percebe que tem um grande poder em mãos e se denomina um deus, que poderá matar criminosos e fazer um novo mundo onde não haja o mal, assim ele denomina-se Kira. Ele conhece Ryuk, um deus da morte, que só pode ser visto por quem possui o seu caderno.

Durante o seu percurso na luta contra o mal, Kira conhece Misa Amane, uma famosa atriz no Japão, que também possui um Death Note e tem como deus da morte o Rem. Ela fica obcecada por Light quando descobre que ele matou os assassinos dos seus pais. Como nem tudo são flores, Light passa a ser investigado por um detetive chamado L. Um super detetive, diga-se de passagem, que não sei quanto a vocês, mas fiquei torcendo pelos dois. Depois de ser perseguido por L, Light faz um plano com Rem, que acaba matando L, porém como Rem quebrou uma das regras do Death Note, ele morre, o que garante mais uns anos de vida para a Misa. Depois de alguns anos sem ninguém no nível de L (rest in piece) para investigar o Kira, eis que surgem dois novos detetives, Near e Mello. E assim segue a história com várias tretas emocionantes que fazem a gente ter um troço no coração, até a morte de Light.

misa misa light.jpg

Mas por que eu estou dizendo tudo isso? Para vocês entenderem o que a Netflix fez com o mangá. A história do filme se passa nos Estados Unidos, logo os atores são americanos, já que os produtores disseram que não encontraram atores asiáticos que falassem inglês fluente (WHAT????). Como se não bastasse, a história segue o típico clichê de filme americano. Light é um jovem inteligente, porém é ignorado pelos outros na escola. Ele acaba conhecendo Mia, uma cheerleader bonita que é amiga do pessoal descolado, logo depois ela se apaixona pelo Light. Até aí isso te lembra algum filme americano? Pois é, vários! Ele acha o Death Note, depois que descobre o poder que ele tem, ele acaba contando para a Mia sobre o caderno, uma menina que mal conhece e só tinha trocado poucas palavras.

Quem acompanhou o mangá/anime percebeu logo de cara que algo de errado não estava certo nesse filme. Passei o filme todo na esperança de ver a Misa-Misa, porque poxa vai aparecer outro Death Note, vamos ver o Rem e etc. Ledo engano. Essa Mia substitui a Misa Amane no filme e não, ela não tem outro Death Note.

death note netflix.jpg

A história vai rolando como se fosse filme de sessão da tarde, não existe aquela tensão que tem no anime/mangá, onde L tenta descobrir quem é Kira e este tenta descobrir a verdadeira identidade de L. O filme basicamente se baseia numa história de amor onde o que divide o casal é o Death Note, já que chega em uma etapa do filme que a Mia tenta manipular Light para ficar com o caderno. Algo que achei nonsense, foi em uma das cenas finais que a Mia e o Light estão caindo de uma roda gigante, a imagem começa a ficar em câmera lenta e toca uma música romântica (acho). Caramba, eles estão prestes a morrer e vocês dão um momento “romântico” pra isso?! Sério, Netflix? A amizade entre Ryuk e Light, na versão original, é bem melhor. O deus da morte é um alívio cômico para a história, no live-action é algo maçante e chato.

Quanto aos personagens, o Light do filme é diferente do mangá, toda a sua demonstração de inteligência foi deixada um pouco de lado, já que no anime Light foi chamado para ajudar nas investigações para descobrir quem era Kira (irônico, não?), sendo que ele ainda estava no ensino médio. Tambem odiei a atuação do Natt Wolf, pra mim ele não mostrou emoção. Essa Mia não tenho nada de bom para falar, personagem sem sal, típica de filme adolescente americano, não sei nem o que estava fazendo lá. TODOS POR MISA AMANE! O L foi um dos personagens que eu achei mais parecidos, apesar de também ser um pouco sem sal (pois é). Ele faz jus ao L do anime/mangá que vive sentado de forma estranha e sempre com doces por perto.

Mas não foi só ódio nesse filme, achei a edição do Ryuk legal, foi uma das coisas mais legais que a Netflix fez, as mortes também foram bem realistas. E só.ryuk.jpg

Em resumo: a versão live-action da Netflix é completamente simples da versão original, como se tivessem feito o roteiro em cima de um resumo do resumo do que realmente é a história e com algumas adaptações. Uma versão comédia sem graça de algo que deveria ser dramático. Se eu aconselho vocês assistirem? Sim, mas porque quero que vocês vejam com os seus próprios olhos como a Netflix estragou a história. Mas sabem o que eu também aconselho? Assistam o anime ou leiam o mangá (ou os dois), tenho certeza que vocês vão gostar!

Finalizo esse post com um meme da cena quando Light encontra o Ryuk pela primeira ver e que resume a minha decepção com o filme.

death note

 

Comentários do Facebook

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *